Erykah Badu – New Amerykah Part Two (Return of the Ankh)

29.03.2010 — Música, Resenhas

Erykah Badu
New Amerykah Part Two (Return of the Ankh)
(Universal Motown; 2010)

Se um artista é sincero com seu trabalho, sua vida pessoal deve ser refletida em sua música. Não é uma coisa que deva ser pensada ou tomada como uma regra, mas sim um fator natural o bastante para não ser refletido durante o processo de criação de um álbum. É exatamente esse o caso do quinto disco de estúdio de Erykah Badu, New Amerykah Part Two (Return of the Ankh).

Mas vamos voltar a 2008, ano do lançamento de New Amerykah Part One (4th World War). Se você ouviu o álbum, sabe que ele é o mais distinto da discografia da cantora. É um trabalho tenso, carregado de teor político e com bastante influência de hip-hop. É também um dos LPs mais impressionantes daquele ano e talvez o melhor álbum da carreira de Erykah Badu.

Enquanto isso, New Amerykah Part Two (Return of the Ankh) pode ser colocado no topo dos trabalhos mais acessíveis da cantora. Um LP essencialmente pop, que flui com uma facilidade impressionante e quase rara nos dias de hoje. O que aconteceu nesse meio tempo? A texana de 39 anos foi mãe pela terceira vez – uma menina chamada Mars Merkaba, cujo pai é o rapper Jay Electronica.

Talvez o nascimento de sua filha nada tenha a ver com o fato deste ser um disco, digamos, leve. Mas não dá pra negar que Erykah Badu é uma das artistas mais sinceras da atualidade, e isso se comprova em cada uma das 11 faixas de seu novo álbum.

Diferentemente do disco de 2008, New Amerykah Part Two (Return of the Ankh) é orgânico, tocado, solto, melodioso e fácil aos ouvidos. Uma de suas características mais marcantes é a passagem de uma faixa para outra, que se dá de forma quase imperceptível. Por esse motivo, aliás, prefiro não apontar nenhum destaque individual.

Como em qualquer disco de Erykah Badu, a produção é fenomenal. Não é a toa que nomes como Madlib, Shafiq Husayn (SA-RA Creative Partners), 9th Wonder, Georgia Anne Muldrow e até mesmo J Dilla fazem parte do time de produtores, enquanto Questlove (The Roots) é o baterista em todas as faixas. Além disso, samples do Wings, Eddie Kendricks e Sylvia Striplin, entre outros, dão brilho extra às canções.

É claro que tudo isso, por si só, não faria de New Amerykah Part Two um disco espetacular. É aí que entra a voz de Erykah Badu. Doce em determinados momentos, vigorosa em outros, é certamente o personagem principal do álbum ao lado de suas letras, que tratam de assuntos como amor e as coisas boas da vida. Simples assim. Tudo amparado por uma instrumentação rica que utiliza muitos pianos, teclados, baterias, baixos e até mesmo harpas e um Theremin.

Costumam dizer por aí que depois da tempestada vem a calmaria. Especialmente após um álbum como 4th World War, a frase resume bem a sensação que se tem ao ouvir o novo LP da cantora. New Amerykah Part Two (Return of the Ankh) é um daqueles discos que, por conta de seu gênero, provavelmente não alcançará o número de ouvidos que merecia. Mas não é exagero dizer que este é facilmente um dos melhores álbuns do ano e que Erykah Badu é de longe a artista mais importante do soul/R&B dessa geração.

– Six

Nota:

Tags: