Chelsea Wolfe – Pain Is Beauty (2013; Sargent House)

12.09.2013 — Música, Resenhas

chelsea-wolfe-pain-is-beautyA Chelsea Wolfe pode urrar, pode tocar um violão e cantar calmamente, pode aparecer acompanhada de música eletrônica, pode chegar meio gótica, pode sussurrar e até se empolgar vez ou outra. Não importa, logo nos primeiros 10 segundos de qualquer canção sua, sabemos que estamos prestes a mergulhar num mundo obscuro, realmente obscuro, pois somos obrigados a explorar as cavidades mais profundas de nosso próprio ser. Somos obrigados a ser meio góticos junto com Chelsea. Muitas vezes o termo gótico vem acompanhado de uma performance à qual somos levados a acompanhar com os olhos e isso se aplica à figura performática de Chelsea Wolfe. Porém, enquanto ela se contorce com a sua dor encenada, ela toca realmente pontos onde não estamos prontos para sermos tocados com uma simples canção.

Seja nas assombrosas “We Hit a Wall” e “House of Metal”, na mais tranquila e post punk “Destruction Makes the World Burn Brighter, seja na eletrônica “The Warden”, na extrema “Kings” ou nas perturbadoras e lindas “They’ll Clap When You’re Gone” e “The Waves Have Come”, Chelsea Wolfe consegue a cada faixa de Pain Is Beauty nos fazer dançar em seu teatro gótico, sob uma escuridão e neblina que já não sabemos se é real ou não, mas, ainda assim, o sentimento é real. A dor é real e a beleza também.

8.0