Bitchin Bajas and Bonnie “Prince” Billy – Epic Jammers and Fortunate Little Ditties (Drag City; 2016)

12.05.2016 — Música, Resenhas

bitchin-bajas-bonnie-prince-billy

Em um dia ruim, as frustrações se acumulam a cada tecla apertada ou scroll dado, a cada passo lento na rua, a cada nova busca pelo café milagroso, a cada rosto inexpressivo que deseja extrair algo do seu ser que, por sua vez, só quer o silêncio. Um dia ruim é todo feito por pequenos fatos ruins que se acumulam numa espiral vertiginosa. Um dia ruim é bem ruim.

Num certo dia ruim, eu desisti de ser produtivo e resolvi que só o raro frio que fazia lá fora poderia me tirar dessa espiral maldita. O frio me forçaria a pensar em outras coisas. No meu nariz gelado, nas pessoas deitadas na rua, na vagarosidade dos meus passos, em várias coisas. Mas tudo que consegui nesse dia foi entrar numa estranha transe com Epic Jammers and Fortunate Little Ditties, disco que saiu da parceria entre o trio Bitchin Bajas e Will Oldham, ou Bonnie “Prince” Billy.

Enquanto caminhava, as frustrações foram diminuindo de tamanho e já não ocupavam todo o espaço dedicado à mente. A melancolia, porém, transbordava pelas orelhas. Mesmo assim, só me interessava a transe psicodélica e repetitiva das faixas de Epic Jammers. Só me interessava entrar nessa transe e ajustar os passos conforme os loops, filtrar a voz suave de Bonnie e fazer com que os seus murmúrios limpassem todo o caminho obstruído para a paz do dia, deixar as guitarras do Bitchin Bajas me sustentarem como se eu tivesse o peso de uma pena.

Num dia ruim, você está tão absorto que a probabilidade de um total estranho se aproximar para quebrar a transe na qual você se encontra é alta. Já algumas vezes fui interrompido na rua e o mundo nessas horas aparece como uma grande novidade, quando o seu real sentimento há poucos segundos era de total cinismo diante de tudo. A espiral vai perdendo a sua força; a transe fora interrompida e pouca coisa resta a fazer desse dia ruim. Epic Jammers ecoa.

7.0