William Tyler – Modern Country

11.07.2016 — Música, Resenhas

william-tyler-modern-country

Não tenho muita experiência em dirigir por estradas. Sou cego e sonolento o suficiente para não me arriscar dessa maneira, principalmente à noite. Mas estradas sempre me fascinaram. A vista, o som e o cheiro novos a cada mudança de paisagem e aquela sensação ao volante de sentir o carro correndo mais do que você costuma na cidade. Tudo isso faz das viagens de carro (carona) e ônibus as mais agradáveis para mim. Por isso, ter um ataque de pânico em plena rodovia é algo perto do inimaginável, mas, aparentemente, foi o que aconteceu com William Tyler, que saiu dessa situação pegando estradas menos movimentadas ao som de muita música country e motorik. Uma ótima saída, eu diria, que explica maravilhosamente bem Modern Country, seu novo álbum.

Totalmente instrumental como seu lançamento anterior, Impossible Truth, mas com uma narrativa mais coesa, Modern Country é uma verdadeira viagem por estradas pouco rodadas, mas também uma bela história que usa bem as grandes telas do sul norte-americano e um grupo de apoio sensacional com Glenn Kotche (Wilco) na bateria, Darin Gray no baixo (Jim O’Rourke) e Phil Cook (Megafaun) nos teclados para fazer toda a ambientação necessária pro protagonista do álbum: a guitarra de William.

O disco começa tranquilo e contemplativo com “Highway Anxiety”. O dedilhado de “I’m Gonna Live Forever (If It Kills Me)” ganha muita força com a companhia da percussão poderosa de Glenn em primeiro plano. “Albion Moonlight” parece se inspirar na transição de azuis de um vasto céu sem nuvens. “Gone Clear” cresce em tensão pelos sinos ao fundo representando de forma mais palpável o pânico que ele pode ter experimentado nessas viagens em turnê. Toda a beleza nos padrões de William e na leveza da bateria de Gleen em “Sunken Garden” fica como um profundo suspiro para o encerramento da viagem com “The Great Unwind”, simples e determinante, subindo aos poucos com o feedback de sua guitarra preenchendo o vazio do carro e sumindo como fumaça.

Enquanto Impossible Truth cresce de forma mais crua a cada faixa, com forte influência de John Fahey e com toda a virtuosidade do seu dedilhado, Modern Country é mais contemplativo, melhor produzido e com solos precisos que revelam toda a qualidade de William Tyler como guitarrista. Ao fim do álbum o que fica são os sete quadros que ele pintou em nossas mentes e a certeza de que eles fazem todo o sentido lado a lado. Uma história em sons capaz de mostrar toda a beleza de pegar uma estrada. Com ou sem ataque de pânico, sono ou cegueira.

8.5