5 músicas da semana – 19/02/2017

20.02.2017 — Blog

thundercat

1. Thundercat — “Friend Zone”

Algo me diz que o Thundercat está prestes a lançar um dos álbuns de 2017. Por que? Ora, basta ouvir o que ele fez nos últimos anos e prestar atenção nos dois singles de Drunk que já estão por aí. “Friend Zone” saiu no dia dos namorados gringo e é tão bonita que me faz sentir vontade de chorar. Thundercat tem uma das melhores produções da música atual na minha opinião. Que mais gente deixe a friend zone em 2017 e encontre o amor. (Flávio Seixlack)

2. Jakuzi — “Geriye Dönemiyor”

Kraut pop post punk em turco é um negócio que te hipnotiza e instiga como uma formiga desgovernada viajando pelo seu braço. Isso se todas as canções dessa mistura forem como “Geriye Dönemiyor”, novo single da dupla Jakuzi. Imagino essa faixa pulsando numa caixa de dois metros de altura por muito tempo e apenas isso. (Denis Fujito)

3. マクロスMACROSS 82-99 — “Cherry (w/ Night Tempo, feat. Punipunidenki)”

Do monte de coisas saídas da moda do vaporwave, um dos que ainda mantém a qualidade a cada lançamento é o マクロスMACROSS 82-99. Por isso, assim que soube do lançamento de アイドル、さくら, fui correndo ouvir. Coisa fina. Gosto muito porque mistura j-pop com vaporwave/future funk, numa vibe quase Katamari. E afinal de contas, como não amar uma música com sample de “Stay With Me” da Miki Matsubara? (FS)

4. Hibushibire — “Trepanation Breakdown”

Se a Arthur magazine ainda existisse era de bandas como o Hibushibire que eles estariam falando no momento. Som e visual totalmente extraídos dos anos 70 com um banho de psicodelia e aquela amada precisão japonesa. Como se não bastasse para chamar nossa atenção tudo isso produzido por Makoto Kawabata, do Acid Mothers Temple. Como cereja do bolo, “Trapanation Breakdown” está no novo disco do grupo, chamado Freak Out Orgasm!. Sim. (DF)

5. Mount Eerie — “Ravens”

Espanque nossa pequena alma, Phil. Bata sem dó, pois enquanto A Crow Looked At Me não sair por aí sofreremos juntos. Mostre seus vídeos caseiros, narre suas lembranças, bata e bata em cada um de nós. Esse violão de “Ravens”, simples e solitário como as lindas e intimistas imagens de seu vídeo, é extremamente fácil aos ouvidos e triste na mesma medida. Uma canção quase desumana de tão humana na descrição dos fatos por parte de Phil. (DF)