5 músicas da semana – 07/05/2017

10.05.2017 — Blog

1. Grizzly Bear — “Three Rings”

O Grizzly Bear está soando ligeiramente diferente de seu passado em “Three Rings”, seu novo single. Ligeiramente porque leva-se um tempo pra acostumar com a bela sequência de notas mas, quando tudo encaixa, é como rever aquele velho amigo e botar a conversa em dia sem ter que forçar a barra. Já são mais de 10 anos do Grizzly Bear em nossas vidas, então fica fácil entender porque é confortável ouvir uma música inédita da banda ainda que ela não seja exatamente o que estamos esperando. (Flávio Seixlack)

2. Wooden Wand — “Clipper Ship”

Todo ano tem um disco do Wooden Wand sendo esquecido por aí e Clipper Ship, pelo visto, será mais um desses discos. Vou fazer o meu papel aqui e destacar a linda faixa-título, que fecha o álbum com uma paz e tristeza típicas de James Jackson. (Denis Fujito)

3. Juana Molina — “Paraguaya”

Juana Molina com disco novo é sempre motivo de muita expectativa por aqui e posso afirmar sem nenhum receio que Halo atinge todas as boas expectativas. “Paraguaya”, que abre o álbum, assim como o vídeo lançado essa semana, vem cheia de mistério e sombras num folk bem vazio e bonito. Juanita como aprendemos a apreciar. (DF)

4. C&T — “Mangosteen”

Quem gosta do The Internet deve estar feliz em 2017, uma vez que seus membros vêm lançando discos solo desde que o ano começou. O C&T, do baterista Christopher A. Smith, é talvez o projeto mais “estranho” entre os que saíram, mas nem por isso deve ser ignorado. Exemplo disso é “Mangosteen”, uma das faixas de Loud. R&B torto, futurista e necessário para os dias atuais. (FS)

5. Lydia Loveless — “Sorry” (Justin Bieber cover)

Fazer um cover de uma música pop muito famosa é sempre uma decisão muito controversa, pois todo mundo já fez a sua, todo mundo já tem a sua opinião e nada que você fizer será novo. Mas essa versão de “Sorry”, da Lydia Loveless, fez todo o sentido na minha mente já que ela fez um dos discos mais sentimentais (no melhor sentido) do ano passado com Real. Sua versão de “Sorry” poderia facilmente ser uma faixa extra de seu álbum e isso é um baita elogio. (DF)